Depois, depois, depois

Primeiro, eles conheceram-se em casa de uns amigos. Depois, ele convidou-a para ir ao cinema. Ela achou antiquado, achou que não teriam tempo para conversar mas foi, enfeitada com toda a maquilhagem do mundo. Correu bem. Depois foi ela que o convidou para jantar. Passaram a noite em casa dele e ela descobriu que ele era muito arrumado. Guardava as meias por cores, tinha uns oito produtos de limpeza debaixo do lava-loiça. Apreciou isso. Depois fizeram seis meses de namoro e comemoraram com uma viagem a Copenhaga. Tiraram fotos junto da Sereiazinha. Depois fizeram um ano de namoro e jantaram no restaurante mais caro de Lisboa. Acharam as doses pequenas, sentiram-se roubados, mas perceberam que se amavam – foi ele que usou esse termo pesadão –  e partilharam a sobremesa de citrinos e chocolate. Foram morar juntos. Não tinham mesa para jantar e comiam no chão da sala à luz de velas e bebendo vinho tinto. Passou-se um ano. De repente, ele achou que ela se tinha apaixonado por um colega de trabalho e tiveram uma primeira discussão. Fizeram as pazes mas, nessa altura, ela já tinha começado a achá-lo desmazelado. Afinal, deixava a roupa usada no chão da casa de banho. Com o stress disto tudo, ela voltou a fumar e ele quis proibi-la. Ela disse: Não mandas em mim e, ao dizer estas palavras, lembrou-se das conversas que tinha com a mãe. Sentiu-se nauseada. Chorou. Fizeram as pazes de novo. Compraram a mesa para a sala, mas ele estava terminando um projeto em Cabo Verde, andava muito bronzeado e raramente jantava em casa. Em conversa com uma amiga, ela percebeu que já nunca faziam nada juntos. Nem a porcaria do cinema. Não celebraram os três anos de namoro porque estavam os dois a trabalhar até tarde. No dia seguinte, houve uma discussão barulhenta por causa de quem tinha deixado um copo sujo na cozinha. Estou farto de lavar sempre a loiça toda. A discussão transformou-se numa tempestade tremenda. Ela saiu de casa, muito dramática. Ele, de repente, descobriu-se a dormir mais tranquilo e a acordar feliz. Uns meses depois, ela conheceu outro rapaz na casa de uns amigos. E tudo começou de novo. Jantares, fins de semana, palavras pesadas. Claro que se passaram algumas coisas diferentes com esse rapaz mas, para ela, tudo parecia um eco do que tinha acontecido antes.

(Vídeo: Alguém disse Run DMC esta manhã e esta música não me saíu da cabeça o dia todo)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s