O táxi

Ela andava sempre de táxi e os taxistas a adoravam. Entrava no carro, eles piscavam o olho ao colega do lado, porque ela era menina e tinha ar bem-comportado. Sentava-se, dava ordens. Vire à esquerda, contorne a rotunda, pare aqui, a máquina obedecia-lhe e ela sorria encantada, porque quando era pequena sonhava ser monarca absolutista. Luís XIV ou a Rainha de Copas, cortem-lhe a cabeça, diria ela e com a doçura de um ditador obrigaria todos a serem felizes. Ninguém ama mais o seu povo que um rei iluminado que força o seu país à limpeza e à excelência, pensava ela. Mas nasceu na época da democracia, onde todos falam e fingem que são iguais. Então, abandonou seus sonhos infames de infância, mas não sabia ser popular, porque se achava esclarecida. E Freud não diria nada desse complexo de superioridade, porque ele também, dissecando as perversões da nossa mente, se sabia melhor que os outros. Seus sonhos de criança renasciam no imperativo do táxi e, quando saía, o motorista esperava sempre um pouco para que ela acabasse de puxar a cauda do seu vestido comprido.

(Imagem: Promenade de Marc Chagall, 1917/18)

8088

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s